Análise a Solos

Usualmente as plantas obtêm os nutrientes de que precisam do solo. A avaliação da disponibilidade de nutrientes em solo é feita, em geral, com base na análise de fertilidade.
A determinação da fertilidade de um solo através da sua análise, é o primeiro passo para o planeamento de um programa de fertilização correto. Sendo que as análises de solos agrícolas são um elemento fundamental de qualquer programa de trabalho agrícola. O recurso à análise ao solo e a aplicação de nutrientes na quantidade aconselhada conduz a produções elevadas e de qualidade, sem poluir o meio ambiente. Através de uma análise periódica evita-se a ocorrência de desequilíbrios nutritivos, condição fundamental para a resistência da cultura às doenças e para a qualidade da produção. Sem o mesmo torna-se difícil conhecer a sua fertilidade, a disponibilidade de nutrientes no mesmo, as emendas a efetuar pré-plantação ou como diagnosticar um problema nutricional que a cultura apresente. Todo o controlo da rega e nutrição deve ter como ponto de partida uma análise de solo e outra de água, assim geramos a informação que permite executar o melhor programa de rega e adubo possível nas condições encontradas.

O LAGRA atende principalmente ao agricultor, para quem a análise de fertilidade do solo é de extrema importância, pois é a partir dos resultados obtidos nessa análise que será feita a recomendação da fertilização e calagem (adição de calcário para corrigir a acidez do solo) na área a ser plantada. De modo a satisfazer as necessidades do agricultor, o LAGRA desenvolveu 3 pacotes de análises.

 

LabSolo1 LabSolo2 LabSolo3
Entrada em Produção Integrada Análises efectuadas em produção integrada Análise Completa
Análises Químicas Análises Químicas Análises Químicas
pH (H2O)*, pH (KCI)* pH (H2O)* pH (H2O)*, pH (KCI)*
Necessidade de Cal Necessidade de Cal Necessidade de Cal
Calcário (total e activo) Matéria Orgânica Calcário (total e activo)
Matéria Orgânica Fósforo, Potássio e Magnésio extraíveis Matéria Orgânica
Fósforo, Potássio e Magnésio extraíveis Boro extraível Azoto
Ferro, Manganês, Zinco, Cobre e Boro --- Fósforo, Potássio e Magnésio extraíveis
Bases de troca, Alumínio de troca e CTC --- Ferro, Manganês, Zinco, Cobre e Boro
Relação Ca/Mg, Relação K/Mg   Bases de troca, Alumínio de troca e CTC
--- --- Conductividade Eléctrica*
--- --- Relação Ca/Mg, Relação K/Mg, Relação C/N
Análises Físicas Análises Físicas Análises Físicas
Granulometria Textura de Campo
(método expedito)
Granulometria
Textura --- Textura

 

PARÂMETRO MÉTODO DE ANÁLISE
Azoto Destilação Kjedahl (volumetria)
Fósforo extraível Método Egner-Riehm (EAM UV/vis)
Potássio extraível Método Egner-Riehm (EAAC)
Magnésio extraível Extraível com NH4Ac (EAA)
Ferro, Manganês, Zinco, Cobre extraível Método de Lakanen (EAA)
Boro extraível Extraível com CaCl2 - Método da Aometina H (EAM UV/vis)
Bases de troca
(Cálcio, Magnésio, Sódio e Potássio)
Extraível com NH4Ac (EAA)
Capacidade de troca Catiónica (CTC) Cálculo (soma das bases de troca com acidez de troca)
Alumínio de troca Extracção com KCl (volumetria)
Granulometria Método da Pipeta
pH (H2O)*, pH (KCl)* PT09 Ed2 19/2/18 - Potenciometria
Condutividade Eléctrica* PT11 Ed2 19/2/18 - Condutivimetria
Necessidade de cal
Relação Ca/Mg
Relação K/Mg
Relação C/N
Cálculo
Calcário Total Calcimetria
Calcário Activo Método de Drouineau
(volumetria)
Matéria orgânica Método Tinsley
(volumetria)

*Parâmetro acreditado

 

Colheita de amostras de solos

Objectivo

O objetivo das análises de terras são determinar as características físico-químicas dos solos, com vista a avaliar a sua aptidão agrícola. Como tal, para que este objetivo se cumpra torna-se imprescindível que amostra seja bem colhida.

Periodicidade e época de colheita

De maneira a conhecer-se o balanço de nutrientes de acordo com as exportações da cultura e as aportações dos fertilizantes é aconselhada a realização de análises anualmente.
As amostras podem ser colhidas em qualquer altura do ano, no entanto não é aconselhável a colheita de solos encharcados, devido à lixiviação de alguns nutrientes (azoto por exemplo). No caso de aplicação de fertilizantes ou corretivos do solo, é aconselhado que a colheita seja feita pelo menos um mês depois da aplicação.

Recipiente e material necessário

A colheita deverá ser realizada com o auxílio de uma sonda, ou na impossibilidade do uso de sonda, com o auxílio de uma pá ou uma enxada. Também será necessário um balde para homogeneizar a amostra e saco (s) de plástico para a sua entrega no laboratório.

Procedimento

Se o terreno não for uniforme, deve ser dividido em parcelas relativamente homogéneas no que respeita à cor, textura, declive, drenagem, últimas culturas realizadas, etc. Em cada parcela deve ser colhida uma amostra de terra. Recomenda-se que cada parcela homogénea não possua uma área superior a 5 hectares.

  1. Evitar colher as amostras em locais próximos de caminhos, de locais que sirvam de abrigo para animais e em sítios onde tenham estado (em monte) estrumes e outros produtos.
  2. Se o terreno não for uniforme é aconselhada a divisão do terreno em parcelas homogéneas quanto à textura, declive, culturas, variedades, técnicas culturais, entre outros.
  3. Percorrer a parcela em ziguezague colhendo ao acaso em cerca de 20 pontos, amostras a uma profundidade entre 10 cm (no caso de prados já instalados) e 40 cm (pomares, olivais e vinhas), de acordo com a cultura, retirando preferencialmente os primeiros centímetros de solo, onde se acumulam resíduos de adubos, herbicidas e folhas, de modo a centrarmos a análise na área explorada pelas raízes.
  4. Misturar bem a terra no balde, retirando as pedras e as partículas de maior dimensão. Desta terra retirar cerca de 1 quilo para um saco dando origem assim a uma amostra. Identificar a amostra, conservar a amostra em lugar fresco e seco e enviar para o laboratório no prazo de 5 dias.

Documentos de apoio: